Hoje: 25 de Nov de 2017

“Crise política é mais grave que a econômica”, diz Fernando Henrique

A crise do sistema político brasileiro é mais grave que as dificuldades econômicas pelas quais passa o país, na avaliação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Em entrevista concedida nesta segunda-feira (26) ao programa Roda Viva, da TV Cultura, ele afirmou que o sistema político do Brasil “fracassou”.

“Nosso sistema político fracassou. É um sistema que tende à fragmentação do processo”, disse. Comentando a existência de mais de 30 partidos, Cardoso afirmou que “qualquer um de nós na Presidência hoje está enrolado. Como é que você forma maioria hoje? Isso é mais grave que a dificuldade na economia”.

No Roda Viva, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi entrevistado por uma bancada formada por cinco jornalistas: Eliane Cantanhêde (colunista do Estadão), João Gabriel de Lima (diretor de redação da Época), Ricardo Setti, Sérgio Dávila (editor-executivo da Folha) e Vera Magalhães (colunista de VEJA). Ilustrado por desenhos em tempo real do cartunista Paulo Caruso, o programa foi transmitido ao vivo pela TV Cultura.

Cunha

Questionado sobre trecho no qual menciona o atual presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), FHC voltou a dizer que nunca teve qualquer contato com o parlamentar, mas ressaltou que já havia problemas envolvendo o nome de Cunha quando ainda estava na Telerj. “Eu tinha a vaga ideia do nome Eduardo Cunha. Era um funcionário do governo Itamar, que havia sido afastado.”

O ex-presidente lançará na próxima quarta-feira (28) o livro “Diários da Presidência”, em que registra seu cotidiano nos dois primeiros anos do governo (1995-1996).

Quando assumiu a Presidência, Fernando Henrique decidiu gravar em fitas cassete seu dia a dia no poder. Então com 63 anos, planejava que os trechos só fossem divulgados depois de sua morte.

Ao mudar de ideia e publicar em vida os registros da passagem pelo Palácio do Planalto, o tucano revela desabafos, queixas e satisfações, assim como se expõe a reações e desmentidos de quem foi citado.