Hoje: 19 de Nov de 2017

ESCÂNDALO: Júnior Araújo denuncia rombo na previdência municipal de Cajazeiras. Entenda!

A gestão do atual prefeito de Cajazeiras, o médico José Aldemir Meireles (PP), foi mais uma vez bombardeada com polemicas e fatos que colocam em cheque a credibilidade e o compromisso do governo para com o erário público.

Desta vez, o ex-vice-prefeito Júnior Araújo usou sua conta pessoal do Facebook para denunciar a criação de um déficit no Instituto de Previdência de Cajazeiras ꟷ IPAM, o que ele mesmo tachou como um “rombo na Previdência Municipal”. A questão foi trazida pelo vereador Moacir Menezes na Câmara e denunciada nas redes sociais por Júnior.

Munido com planilhas preenchidas com dados disponíveis no Portal da Transparência, Portal do TCE e Sagres Online, Júnior denunciou que a atual administração está usufruindo da reserva financeira do IPAM, reserva responsável por garantir a aposentadoria dos servidores que contribuem ao longo de todos estes anos e também para futuros segurados.

De acordo com os dados, ao termino da gestão da ex-prefeita Denise Albuquerque, em 31/12/2016 existiam na conta no Instituto uma quantia de R$ 8,5 milhões. Baseando-se em valores extraídos dos portais de transparência pública em 19/05/2017 este saldo diminuiu para R$ 6,6 Milhões. Segundo Júnior, nos 04 primeiros meses da gestão José Aldemir a reserva existente em dezembro vinha sendo usada pela prefeitura, causando uma queda de R$ 1,9 milhões.

Em sua publicação, o ex-vice-prefeito ainda denunciou um fato ainda mais grave: a falta de repasses de recursos para as contas do IPAM durante a corrente gestão. “Essa mesma gestão que se diz governar do "jeito certo", deixou de repassar durante este mesmo período (janeiro, fevereiro, março e abril) o montante se R$3,5 Milhões da parte de segurado e patronal”, disse Júnior.

Ainda de acordo com Júnior Araújo, essas atitudes tomadas pela atual gestão, se continuadas, gerarão gravíssimas consequências e até dezembro desse ano, a reserva financeira estará zerada. “As consequências são gravíssimas, caso a gestão não cumpra seus compromissos com o IPAM, mantendo-se esta média dos quatro primeiros meses do primeiro ano de gestão, não chegará a dezembro próximo a reserva financeira acumulada nos ÚLTIMOS 20 ANOS, sendo estes recursos EXTINTOS, repito, até o final do ano em função da desordem financeira da atual gestão”, alertou.

Por fim, o líder oposicionista ainda cobrou da Diretoria financeira do IPAM, do SINFUMC, da Secretaria da Fazenda Pública e da Câmara Municipal de Cajazeiras posicionamentos quanto aos fatos.