Hoje: 23 de Nov de 2017

Maria Gadú lança álbum e afirma que novo show não terá "Shimbalaiê"

Em um casarão em São Conrado, no Rio de Janeiro, Maria Gadú ensaia exaustivamente com sua banda e prepara a sua volta à cena com a turnê do seu novo álbum. "Guelã" chega às lojas nesta semana, mas já está disponível, desde 18 de maio, em plataformas digitais como o Deezer, o Spotify e o iTunes.

Com um tom mais intimista, de sonoridade inusitada e marcada por muitas guitarras, o novo trabalho da cantora começará a ganhar os palcos do país a partir desta sexta (5), com três apresentações concorridas no Auditório Ibirapuera – devido à grande procura por ingressos, um show extra teve de ser agendado. Nesta entrevista, a cantora paulistana fala sobre o processo de criação de "Guelã" e sobre os rumos da música através de sua relação com a internet.

UOL – Você está lançando "Guelã", um disco de estúdio após quatro anos. Por que a demora em trazer material novo para os seus fãs?

Maria Gadú – Tudo tem sua hora. Não houve uma afobação de querer encher linguiça na minha carreira com trabalhos em que eu não tivesse tanta convicção. Não faço disco só para cumprir tabela, para entrar na lógica do mercado. Durante esse período eu não estava pronta, ainda não tinha a coerência e convicção necessárias e esperei as minhas ideias, canções e a sonoridade ficarem homogêneas. Demorou bastante, mas eu dei o tempo que precisava ter para me sentir, no mínimo, aliviada.

De que forma o álbum reflete esse momento de buscar novas sonoridades e experiências?

Com certeza, é o reflexo de vários silêncios e de várias escolhas que levaram ao meu silêncio. Pode ter parecido um período sabático, mas não foi. Não descansei e parei para pensar na vida. Não parei de fazer shows e trabalhei para caramba estudando. Foi ralação. Mais transpiração do que inspiração. Estudei muito, pegava um instrumento durante horas e treinava a mecânica de tocar. Foi um período importante para reconhecer coisas boas e ruins – mais ruins do que boas – do meu trabalho e da minha vida. Isso fez esse disco ser como ele é – muito pessoal. É um álbum bastante introspectivo.

O que você experimentou de diferente nesse período? Alguém que você passou a ouvir e se tornou influência para o seu trabalho?

Milhares de coisas... desde os amigos que são estrangeiros e tocam outro tipo de canção, mais elaborada em cima de texturas e sonoridades, até coisas que já estão aí há muito tempo e eu nunca tinha prestado atenção. Já gostava muito, mas ouvi com muito carinho toda a discografia do Radiohead, que consegui comprar em uma bodega em Paris. Comprei e ouvi os CDs meticulosamente. Isso abriu, ampliou bastante meu campo de percepção, entendimento e conhecimento. Eu não paro e não me canso de ouvir Caetano. Nunca ouvi tanto.  Dez vezes toda a discografia. Do primeiro até a última canção do "Abraçaço".

E de que forma essas influências foram se misturando com seu trabalho?

Acho que foi me abrindo a vontade de tocar guitarra, de descobrir novos sons, de saber quais são minhas limitações como musicista, como cantora, como pessoa. Me permiti. Tolhi várias coisas na minha vida para ter essa clareza sobre que tipo de música que eu faço.

Como foi o processo de composição desse álbum?

Ele foi genuíno. Esse álbum é quase uma carte de um período. É um diário. Eu não escrevi 200 canções e pincei dez. Nesse período eu fiz, se muito, 15 músicas e escolhi dez. Para mim fechou exatamente a história que eu queria contar. De repente as outras cinco canções não são ainda coisas que eu esteja preparada para expor.

Elas não refletem tão bem o período que você passou?

Eu não escolhi as canções para um momento. O momento é que foi escolhido pelas canções. E existem coisas que você escreve, principalmente quando você compõe de forma autoral e pessoal, que você não quer expor. Ainda não está na hora dela. É uma forma de você externar sentimentos, pensamentos e sensações. Tem algumas canções que me dão até medo.

Qual foi a canção que saiu mais fácil?

Todas. Eu não suei muito com a composição. Elas são genuínas. O disco foi burilado, mas canções existem. Elas nasceram como são. Se a música tem três minutos, foi esse o tempo que levei para compor. E as canções são bem curtas porque não quis repetições. Elas começam e terminam, sem repetir estribilho ou trechos.

Apesar de ser um disco intimista, o que poderia dar a ideia de feito para voz e violão, você usa muita guitarra. Como surgiu essa paixão pelo instrumento?
Não chega a ser uma despedida do violão, já que ele abre e fecha o disco. Mas a intimidade não é definida pelo instrumento e, sim, pela forma como você o toca. Uma bateria pode ser íntima ou pode animar uma festa. E eu sempre tive uma relação forte com o violão, era o meu cavalo, que me levava aos lugares para tocar, que me ajudava a criar as canções. A guitarra foi algo que me assentou nos lugares. Que me deu eixo.