Hoje: 19 de Nov de 2017

HRV da Honda tem espera de até 60 dias

Desde os tempos em que era chamado de Vezel (o primeiro nome cotado para o crossover), oHonda HR-V trazia expectativas ambiciosas tanto para a montadora quanto para os clientes. A marca quer emplacar de 4 a 5 mil unidades ao mês, enquanto o consumidor aposta em um veículo bem equipado, versátil e seguro de fábrica. Revelado em novembro de 2013 no Salão de Tóquio (Japão), o modelo fabricado na mesma plataforma que o Fit chegou nas lojas apenas no último dia 15 e nós fomos conferir sua situação nas lojas. Confira abaixo como foi a experiência.

Nas três concessionárias visitadas pela reportagem, o HR-V está esgotado. Quando há uma unidade disponível, os vendedores afirmam que se trata de desistência ou de clientes que não foram aprovados no financiamento, por exemplo. Mesmo com o bom momento, o atendimento atencioso foi mantido. Os concessionários ressaltam os diferenciais do carro sem pesar no tom, e sem mencionar em momento algum a concorrência.

No geral, o atendimento foi satisfatório, mas um representante na zona oeste da capital paulista agradou ao adotar um procedimento completo de apresentação do carro. O vendedor pediu para que encontrássemos a posição ideal de condução no carro, em seguida mostrou como ficaria o espaço do passageiro traseiro. Depois, exemplificou como os bancos podem ser rebatidos em diversos módulos e ressaltou o bom espaço do porta-malas, de 437 litros aferidos pela Autoesporte. Por fim, o lojista citou e explicou o funcionamento do controle de tração e estabilidade e do assistente de partida em rampa, entre outros.

No assunto tecnologia, no entanto, o atendimento deixou a desejar. Baseada no sistema operacional Android, a central multimídia tem funcionalidades interessantes, como o download de aplicativos externos, ou seja, que não vem de fábrica no gagdet. Esse é um diferencial do HR-V em relação a concorrentes como o próprio Ford EcoSport, seu principal rival por enquanto. O tema, portanto, deveria ter sido melhor contemplado. Somente um dos vendedores consultados detalhou as principais funcionalidades do sistema.

Infraestrutura

Um dos pontos positivos da experiência foi a disponibilidade de duas ou mais versões do veículo nas concessionárias. Em uma das autorizadas na zona norte da capital paulista, todas as configurações do HR-V equipadas com câmbio CVT podiam ser vistas, o que foi essencial para que o vendedor mostrasse todos os tipos de acabamento e itens de série do modelo. Além disso, nenhum dos exemplares do showroom era recheado de opcionais, o que poderia confundir o consumidor na hora da compra.

Vale dizer que o crossover equipado com transmissão manual, o mais acessível da linha, não estava presente nas lojas, tampouco foi citado pelos vendedores. "O mix de vendas dele será de apenas 1%, se o cliente quiser, temos que encomendar e demorará para chegar", disse um lojista. Por fim, nas três autorizadas visitadas pela reportagem, o test drive poderia ser feito sem agendamento prévio.